quarta-feira, 12 de maio de 2010

O privilégio de ter moral com Jesus


A vida tem seus mistérios. A espiritualidade tem seus mistérios. Muitos de nós tem curiosidade de saber como funcionam as coisas após a morte. Muitos de nós sabe o que espíritos desencarnados se dispõem a contar.

Todos nós temos o nosso "anjo da guarda". Os mediuns tem os seus mentores. Os católicos tem os santos, o Espírito Santo; alguns deles, Nossa Senhora (Maria, mãe Jesus) e o próprio Jesus como orientadores.

Minha tia Nenem, o anjo que subiu ao céu há dois dias, católica praticante e de fé extrema, sempre dialogou com Jesus. Quando fez sua primeira cirurgia grave, em que tinha menos de 10% de sair com vida do centro cirúrgico, assim agiu - mesmo contra a vontade do marido e filhos - dizendo ter conversado com Jesus e dito a ele que estava pronta: para partir ou para ficar.

Tia Nenen sempre se questionava porque Jesus ia deixando ela ficar e qual era a sua missão.

Mas, voltando aos mistérios: ela sempre sonhava em reunir de novo os filhos. Nem sempre era possível porque moravam (meus primos) em regiões diferentes da Bahia (uma no Oeste, outro no Sul e outro no Nordeste), enquanto ela estava em Sergipe. Sempre sonhava em reunir os amigos, os sobrinhos (filhos emprestados que amou intensamente) e, principalmente, seus irmãos. Isso era mais difícil ainda. Cada um em um lugar diferente, cada um envolvido demais com suas próprias vidas, seus trabalhos... Só os via separadamente, ou em pequenos grupos. Além disso tinha a saudade permanente daqueles que partiram antes: seus pais Zezinho e Dominicia, sua filha Tina, seu sobrinho Nenen (Atenágora)...

Pois não é que, ao meu ver, a danada tinha mesmo moral com Jesus?!?! Como ela tinha essa intimidade com ele e chegou sua hora de partir, deixando-nos momentaneamente, conseguiu apoio para que sua viagem acontecesse, possibilitando que, no dia do seu aniversário muitos se reunissem em sua homenagem, mesmo que em um funeral.Danada mesmo esse anjo - Tia Nenen.

Nós, que nunca arranjavámos tempo pra um grande encontro, largamos tudo e, de diversos pontos, de Pernambuco e da Bahia, nos dirigimos para Aracaju, onde ela foi sepultada. Ali estava seu amado Abel, Tinho, Bany e Caca (filhos), Plínio (neto-filho), Nicinha (sua irmã querida) e suas filhas Tata, Danda (eu), Aninha e Cida, e os genros de Nicinha Antão e Roberto (meu marido), Dila e Dô (filhos de sua irmã Têca), suas noras Zélia e Rosinha, e a neta Manuela.

Não senti tristeza, até por saber que ela vinha se preparando para partir. Senti uma grande paz e não pude deixar de achar graça da sua estratégia: seu aniversário foi lembrado por todos aqui e, se lhe foi permitido (como acredito, pois ela era um anjo), também comemorado do "outro lado", recebida com amor pelos que foram antes e já citei acima.

Para o marido, filhos e pra sua irmã a dor da separação ficará presente por tempo indeterminado. Para mim, apenas a saudade e a honra de ter tido a oportunidade de ser alguém com quem Tia Nenen gostava de conversar, inclusive para desmistificar sobre o espiritismo. Sempre vou sorrir ao lembrar e ouvir sua voz entusiasmada dizendo: " Danda! Que maravilha". Tia Nenen, mesmo com os contratempos dos quais quase ninguém escapa, sempre celebrou a vida.

Como ela, quero estar de malas prontas quando chegar minha hora de seguir. Também quero ficar mais vigilante para não deixar de ver e demonstrar meu amor por falta de tempo. E você, tem preparado sua mala dia a dia? Confabule comigo.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Um anjo subiu ao céu

Privilegiadas são as pessoas, como eu e todos da minha família, que tem a oportunidade de conviver com um anjo. Maria das Mercês Galindo Melo - Tia Nenen - é este anjo. Irmã caçula da minha mãe, sempre teve uma palavra amiga, um gesto de carinho, amor e conforto para quem precisou e a teve do seu lado. Tem um dom especial de saber usar as palavras e apaziguar ânimos exaltados.

Este anjo perdeu uma das asas com o desencarne de sua filha mais velha, Cristina (Tina), há quase 20 anos. Foi cultivando outra asa ao criar o neto órfão, Plínio. Nas outras asas sempre manteve seus outros filhos: Alberto, Albany e Cláudia.


Perdeu outros pedaços de asas com o desencarne dos seus pais, Zezinho e Dominicia. Mas recebeu o conforto do companheiro Abel, que nunca deixou a tristeza se aprofundar em seu coração. A distância dos irmãos - Nicinha, Teca, Manoelzinho e Cicinho fazia cair algumas penas, volta e meia.


Como todo anjo, teve provas a enfrentar em sua missão. Como contraponto à força emocional do seu coração está a fragilidade física do mesmo. Consequência do Diabetes e Colesterol veio a angina, a falência dos rins, a diálise diária. Tudo com o apoio do marido-amigo Abel, que muitas Verificar ortografiavezes precisava usar de palavra firme para conter a audácia desse anjo, que insistia em vencer com todo sorriso, as limitações impostas pela fragilidade do corpo e resistia a ser cuidada como sempre cuidou de todos.


Suas asas, seu amor, sua fé em Jesus e Abel a levaram, várias vezes, a viagens impossíveis a qualquer um outro com a mesma fragilidade. Com alegria e determinação enfrentou muitas vezes centenas de quilômetros que a separavam de Cláudia (sua caçula, que mora em Barreiras), de Albany ( em Porto Seguro), de Tinho (em Sobradinho), de Nicinha (em Paulo Afonso), de Teca (em Recife). Seu ponto de saída, Aracaju.


Algumas vezes tive o privilégios do convívio em pit stops na minha casa (Salvador), reabastecendo-nos de amor recíproco, de alegria, de companheirismo, de conversas sobre espiritualidade. Em uma dessas paradas, pude ver a alegria e emoção do encontro das duas irmãs que tanto se amam: ela e a minha mãe, a quem titia chama de "nega". Lindo.


Em todos os momentos em que esteve internada em hospitais, sempre conversou com Jesus e se colocou à disposição: para ir ficar ao seu lado no céu ou para ficar ao lado dos seus amores aqui na Terra. Ele sempre deixou para levá-la depois, tornando-a exemplo e bálsamo para enfermos no hospital que já tinham a esperança fragilizada. Sua resistência, sua alegria, sua rápida recuperação eram o alento que eles precisam para acelerar suas próprias curas. Os médicos e pacientes sempre agradeciam a presença desse anjo.


Hoje, dia 10 de maio, às 13h30, um dia antes do seu aniversário, Jesus decidiu que estava na hora do anjo voltar ao céu, de reencontrar aqueles que partiram antes. Sua missão foi cumprida com louvor. A nós, que ainda temos a caminhar, deixa o legado de que o amor vale mais que tudo. A ela e a Jesus, o agradecimento pela oportunidade do convívio. Segue leve, anjo querido, anjo de amor.




domingo, 9 de maio de 2010

Amor de mãe

Antes de conhecer o espiritismo simplesmente parabenizava minha mãe, dona Cleonice, pela passagem do Dia das Mães. Não tinha noção da profundidade da nossa relação. Hoje, como tenho feito na última década, falei com ela por telefone e, antes de qualquer coisa, agradeci:

  • por ter permitido concretizar esta minha encarnação
  • por ter me amado acima de tudo
  • pelas palmadas e puxões de orelha como corrigenda
  • pelos não dito para impor limites
Infelizmente muitos filhos e filhas, hoje, não pode agradecer pelos dois últimos itens. Nunca tiveram um não na infância e hoje recebem não agudo da vida. Muitos não tiveram (não tem) limites e seguem (seguirão) dessa forma até que esbarrem nas consequências drásticas das suas atitudes.

Neste dia das mães, desejo a todas as mulheres que de alguma forma tem filhos - biológicos, adotivos ou emprestados (enteados) - que aprendam a equilibrar o amor com a responsabilidade que assumiu ainda antes de encarnar. Ter/receber um filho é assumir a incumbência de ajudar a lapidar um espírito em evolução (como somos todos nós). Que não procure compensar a ausência pelo trabalho ou estudo com a permissividade nociva. Lembrar que há momento do sim e do não. Momento de falar e de calar. Momentos de apenas amar.

Eu sou mãe emprestada,mas nem por isso amo menos o meu filho Acácio.

Parabéns às outras mãe da minha família:
Minhas irmãs:
Maria de Fátima - mãe de Giovanna Fabiana (futura mãe de Shopia) e Ítalo

Maria da Vítória - mãe de Thiago José e Victor

Vânia Maria- mãe de Evanice (mãe de Everton), Vaniery e Vanessa

Mirian - Mãe de Álvaro Luiz, Adilson Junior e Emilli e avó de Antonio.

Vera Lúcia- Mãe de Sidney e Wagner

Kátia Luciana - mãe de Ícaro Moan e Irla

Andrea - mãe de Adriele e Emanuele

Fabiane - Mãe de Fernanda e Felipe

Alex Sandra - mãe recente de Júlia Beatriz

Minhas cunhadas:
Valdir - mãe de Pascácia e Robertinho

Nadja - Mãe de Naira

Prazeres - Mãe de Rodrigo e Bárbara

Rosa (esposa de ÁLvaro) - Mãe de Natália e Ramon
E também à Delma , mãe das minhas irmãs/irmão) Andrea, Alex Sandra, Fabiane, Tatiane, Liliane e Helton.