terça-feira, 2 de setembro de 2014

A vida é marcada por palavras. Quais são as suas?

Algumas pessoas dizem que nossas vidas são marcadas por ações. Acho que são por palavras. Afinal, são as palavras que conduzem as nossas ações. E até essas ações tem nome, não é verdade? Quais são as palavras que marcam e conduzem a sua vida? Eu sei de algumas minhas, mas não consigo ainda dar ação a todas elas. Mas tive o privilégio de conviver, nesta encarnação, por todos os meus 52 anos, com alguém que chegou, sofreu, amou, amadureceu, evoluiu e regressou com palavras e ações muito bem marcadas: minha mãe, Maria Cleonice Amorim, que se despiu da carne que lhe foi emprestada por Deus e regressou para a plenitude espiritual no último 1º de agosto.

Palavras: AMOR, FAMILIA, PERDÃO, AMOR
A vida de mamãe foi sendo marcada por palavras ao longo dos seus 77 anos e meio, como também são palavras os nossos nomes. O dela começou como Maria Cleonice Melo, filha de Sivirino e Domenícia, sertanejos pernambucanos que foram para Paulo Afonso em busca de uma vida melhor quando da construção das usinas hidroelétricas. Depois passou a Maria Cleonice Amorim, quando contraiu matrimônio com nosso pai, Nilton Cavalcante Amorim, aos 17 anos de idade.

Mas Nicinha é como a maioria a conhece, apesar de filhos e netos a chamarem também de Cleo e, mais recentemente, uma das bisnetas passou a lhe chamar de Teteo. Para nós, a palavra que traduz Cleonice, Nicinha, Cleo e Teteo é Rainha, a nossa rainha.

A maioria de nós não sabe quais foram as palavras-chave da missão que nos foi dada ao ser colocada aqui por Deus, nosso Pai. Mas Nicinha, mesmo que não soubesse, aceitou e cumpriu várias palavras-chave da sua missão. A primeira delas foi CUIDAR. Cuidou dos seus irmãos, cuidou do seu marido e dos seus 11 filhos, cuidou dos seus pais. Também cuidou de netos e ajudou a cuidar de bisnetos.

Outra palavra-chave da sua missão foi AMOR. Nicinha amou mesmo quando achou que não seria mais capaz de amar devido a desilusão. Ela amou de forma infinita e incondicional a sua família e aquele aceitou como marido e pai dos seus filhos.

Com tamanho amor, Nicinha passou a se permitir o exercício de mais duas palavras-chave: a e o PERDÃO. Com a fé ela deixou o perdão se fazer forte e presente em sua vida, em seu coração, em sua alma. Mamãe descobriu que perdoar alivia a alma, deixa o corpo leve, deixa a vida leve, como se um grande peso fosse tirado dos seus ombros.

ALEGRIA
O amor ainda lhe ensinou o exercício de outras duas palavras da sua missão: TOLERÂNCIA e PACIÊNCIA. Afinal, são palavras essenciais quando lidamos com o outro, principalmente quando o outro é filho, marido, irmão, pais ou até amigos.

RESPEITO e HUMILDADE foram palavras que sempre estiverem presentes na missão de vida de Nicinha. Ela aprendeu, com tantos filhos diferentes entre si, que as pessoas precisam ser respeitadas mesmo que diferentes e que temos sempre que ter humildade para admitir os nossos sentimentos, para admitir que somos passíveis de erro, para perdoar... Humildade para amar, para viver.

Mais uma palavra-chave da missão de Nicinha: CARIDADE. Esta palavra fez parte da vida de mamãe desde os tempos de menina, quando seus pais tinham pouco, mas ensinavam a dividir. Assim ela fez conosco, procurando nos ensinar que onde há amor não há espaço para egoísmo e para orgulho.

A sua devoção à Nossa Senhora intensificou a palavra caridade e a uniu a outra; GRATIDÃO. Nicinha sempre se declarou grata a Deus por ter visto seus 11 filhos ficarem adultos e serem pais; alguns deles avós. Por ter visto sua família se multiplicar de 11 para 37 pessoas, sem incluir genros e noras. Grata por outras bençãos recebidas, como a de ter feito muitos amigos por onde passou. Aprendeu e nos ensinou o valor das palavras AMIZADE e ALEGRIA.

VIDA e GRATIDÃO
A sua missão como filha, esposa, mãe, sogra, avó, bisavó, também incluiu outras palavras: HARMONIA e UNIÃO. Aprendeu-as e as transmitiu em todas as suas relações,principalmente nas relações familiares. Nicinha pediu a cada um dos seus 11 filhos para deixarem apenas o amor, harmonia e união fazerem parte das nossas vidas. Ela sabia bem as qualidades e os defeitos de cada um de nós. Coisas de mãe de 11 filhos tão diferentes entre si como são os dedos das mãos.

As palavras VIDA e MORTE são inerentes de todas as missões. A diferença está que costumamos deixar a alegria tomar conta de nós quando Deus nos manda um novo ser, enquanto costumamos deixar a tristeza e o pranto invadir nossos espaços quando Deus chama algum de nós, dos nossos, de volta. Não tem sido diferente conosco, mas estamos exercitando muitas das palavras que Nicinha aplicou tão bem em sua trajetória nesta encarnação.

Somos gratos a Deus pela palavra AMOR, transmitida por nossa rainha através da sua companhia amorosa e dedicada numa vida de 77 anos e meio.

Agradecemos pela palavra PERDÃO, que nos foi ensinada por um ser em evolução, capaz de perdoar e tentar apagar a mágoa mais profunda do seu coração.

ALEGRIA, AMOR E FÉ
Somos gratos pelas palavras HUMILDADE, TOLERÂNCIA, PACIÊNCIA, CARIDADE e FÉ que nos foram transmitidas em pílulas diárias por nossa mãe.

Somos gratos pelas palavras UNIÃO, RESPEITO e HARMONIA, estimuladas por Nicinha no convívio entre nós, irmãos, para aplicação em nossas vidas.

Com o regresso da nossa mãe estamos aprendendo a força da palavra SAUDADE e o sentido da palavra PAZ. A saudade é forte em nossos corações, mas as palavras GRATIDÃO e AMOR estarão sempre presentes em nossos corações, até a eternidade.A paz ao lado de Jesus, a quem tanto amou e confiou é o que desejamos a Nicinha. Temos certeza que o seu livro de palavras, que chamamos MISSÃO, foi concluído com louvor.

Como nosso aprendizado prossegue, temos o compromisso de buscar preencher nosso livro com as palavras que nossa mãe nos ensinou e nos deixou como legado.

E você? Quais as palavras compõem o livro da sua vida?