domingo, 19 de junho de 2011

Unila idealiza alcançar outra globalização com integração do continente


Milton Santos continua sendo um homem que atrai seguidores para a sua obra, mesmo que já tenha se passado 10 anos desde a sua morte, em 24 de junho de 2001. Uma prova disso é a adoção, pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila)do curso de Geografia Humana. Para Maria Adélia Aparecida de Souza, pró-reitora de graduação estudiosa das obras de Milton Santos, a Unila contribuirá não apenas para que se estude a nova geografia, mas para disseminar uma outra globalização. A geógrafa acredita que, com os cursos que estão (a equipe da Unila) montando, com certeza conseguirão isso, através da integração do continente latino americano. Leia a íntegra da reportagem no Caramurê - o portal do conhecimento.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Poucos se beneficiam de Tecnologias da Informação e Comunicação no Brasil



Não haver questionamentos em massa sobre a ampliação e melhoria da TIC no Brasil pode encontrar eco na avaliação de Milton Santos, em Por uma outra globalização – do pensamento único à consciência universal, sobre a figura do cidadão. “Em nosso país jamais houve a figura do cidadão”, destaca o professor. Em sua avaliação, isso acontece porque as classes chamadas superiores, incluindo as classes médias, jamais quiseram ser cidadãs; e os pobres jamais puderam ser cidadãos.

Leia matéria na íntegra no Caramurê

terça-feira, 14 de junho de 2011

Em busca de uma globalização mais justa



A globalização é caracterizada pelo processo de interligação econômica, política, social e cultural, em nível global. Consequência, principalmente, da expansão dos sistemas de comunicação por satélites, da telefonia, da presença da informática na maior parte dos setores de produção e de serviços, através da internet. Mas, por não beneficiar a todos com esse estágio máximo da internacionalização, é que o doutor em geografia Milton Santos a condenou, uma década depois do marco dessa “mundialização” e há uma década, e alertou para a possibilidade de uma outra globalização, menos perversa com os pobres.



Apesar de ter início com as grandes navegações nos séculos XV e XVI, segundo alguns pesquisadores, a globalização ainda é desconhecida de muita gente, a exemplo de Maria das Graças Lopes. Empregada doméstica, 44 anos, que deixou Anguera (400º lugar no Índice de Desenvolvimento Econômico da Bahia) há 25 anos, ela supõe que globalização seja “ aquela coisa de preservar a natureza”. Só estudou até a 5ª série. Não tem acesso à internet, TV a cabo, nem educação a distância. Não tem noções de geografia e se sente injustiçada por ganhar pouco e não poder dar aos três filhos o que desejam pra ficarem iguais aos adolescentes que veem na internet (em lan houses) ou na TV.

Leia a matéria na íntegra no Caramurê - o portal do pensamento.


segunda-feira, 13 de junho de 2011

Adivinhações de Santo Antonio




Sou romântica inveterada. Sempre acreditei no amor e continuo acreditando. Mas também sempre acreditei que o amor é um sentimento para nos fazer bem, para nos fazer sonhar - não para ter pesadelos.

Como toda romântica, sonhava em encontrar um príncipe encantado. E, claro, quando adolescente, estimulada pelas amigas, irmãs e vizinhas, acreditava que Santo Antonio não só promovia casamentos, mas também podia dar pistas através de adivinhações feitas no dia que lhe era dedicado.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Ainda em defesa do Conselho Federal de Jornalismo

Acompanhando o grupo Velha Tribuna no Facebook, vi uma discussão a respeito do conselho de jornalistas, que estava sendo confundido com o Conselho de Comunicação Social proposto colocado em pauta pelo Governo do estado. Fui conferir a quantas anda a tramitação do Projeto de Lei 3981/2008, do deputado Celso Russomano, que dispõe sobre a criação do Conselho Federal e dos Conselhos Regionais de Jornalismo e sobre o exercício da profissão de Jornalista. Vi que há pouco mais de um mês, mais precisamente em 4 de maio deste ano, foi designado relator na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público  (CTASP)  da Câmara dos Deputados-  Designado Relator, Dep. Roberto Santiago (PV-SP.